Posts tagged Fotografia de Casamento Portugal
Souls wild at heart // A Wedding in Serra Da Estrela Natural Park
 

A kind of wilderness that words can not unwire, uncover, explain. I am still trying to comprehend the new things that were born on this day, in my life. Sometimes I can not truly word how much of what I do changes me. This day was 3 years ago, and I recall it all so vividly. I love Serra da Estrela with an unexplainable fire, always did. But to shoot a day like this, a love like this, emotions shining so brightly as they did right in the heart of it; when the day melts and you melt away with it - seemingly blending into one. I felt as if I was watching the most beautiful spectacle in the world. As if it was all meant to be that I was there. So that I could love what I do so much more fiercely. That I could understand that I might be worth a bit more to people than I at first understood. That my art matters, that it is possible to freeze so much more than just a moment in what I end up delivering. And that these people changed my life so much. Enriched it. Made it so much more worthy. And so much more golden. I still have no words to give and to try and explain the kind of honor and gratitude I still feel for all that unfolded on this day, under that big “carvalha”, where they shouted into the skies there was no other way other than this way; together always as one big family that could love no more than how they already did.

And as per usual this is going to be long. It deserves so.




 
Maria & Miguel | Cascais Engagement
 

I am the kind of person that cries behind my camera in the middle of ceremonies, and that laughs out loud when a kid eats part of the cake before being cut, and I am so, so grateful for the couples that allow me to be myself, that accept who I am entirely. 

Maria and Miguel gave me that possibility. The possibility of being myself, of knowing who they are and what they love about each other. This is yet still work from 2015 and I remember this day as clear as it was yesterday. I am getting there at sharing, y'all. 

 
Maria & Nuno | quinta da grilla, alenquer
 

A little under two years ago Maria and Nuno celebrated at Quinta da Grilla. I truly mean almost two years ago. I really, really need to start blogging more often. These are a few of my favourite moments from their day. 

 
Carolina & João | São Pedro do Sul, Viseu
 

A Carolina e o João casaram nas nuvens. E este foi um dia puro.

Há muitas palavras que poderão descrever o que este dia realmente foi, mas aquela que caracteriza a pureza é sem dúvida a mais adequada. Houve tantas coisas que eu aprendi com este dia, com a Carolina e com o João e com aquilo que sentem um pelo o outro. São Pedro do Sul é de todos os sítios onde fui em 2014 o meu preferido, e sinto que a Carolina e o João irão para sempre ser responsáveis por isso. Quando voltar lá será sempre ao seu dia que voltarei, e nada me fará mais feliz que isso. Quando cheguei ao quarto de hotel passava pouco das 4 da manhã. Lembro-me de me sentar na ponta da cama absolutamente exausta depois de quase 17 horas a fotografar quando no dia anterior tinha feito o mesmo e apenas dormido duas horas entre casamentos, guiado 4 horas e dormido apenas cerca de 1 hora e meia no assento do carro (o ZP salvou-me a vida), e lembro-me, lembro-me bem de tudo aquilo que senti, e de me ter emocionado nesse momento, na ponta da cama, perante a quantidade quase absurda de gratidão por aquilo que aconteceu durante toda a minha vida me ter possibilitado a estar naquele momento, ali, naquele caminho, e de eles terem surgido nele tão subitamente. Foi o fim-de-semana mais cheio de emoções para mim desse ano. Quando me consigo envolver de maneira pessoal com todo o processo, com as famílias e os amigos, quando o que os emociona me emociona a mim também mesmo que não conheça os casais há se não pouco mais de alguns meses. É assim, e só assim, que o meu trabalho ganha a cor que eu mais desejo entregar. As cores mais verdadeiras e mais sinceras.

Pensar na então forte hipótese de não ter podido fotografar este dia ainda hoje me entristece pois sei ser uma melhor pessoa e profissional por ter cruzado o caminho com os dois.  Pensar que tinha o dia já praticamente fechado entre outros dois eventos e a Carolina em viagem a meio da noite se esforçou como esforçou para fechar a data para eles, ainda hoje me faz sorrir pois na altura esse esforço sem fim me deu a certeza de que o dia iria acabar por ser dos meus favoritos de todo o ano. Isso meio ano antes deste dia.  

Durante a viagem rumo ao norte a carga de água que lavou o caminho foi absolutamente chocante. Comecei a ficar preocupada. Se aquela chuva se mantivesse significaria praticamente o mesmo que submergir totalmente o meu equipamento no oceano. Acima de tudo preocupou-me o facto de que todo o planeamento do casamento ter sido logísticamente pensado para um casamento de verão e o que as alterações trariam aos sentimentos dos dois. No entanto mal chegada a casa do João nem ninguém referia a chuva. Na casa da Carolina o mesmo. Havia um sentimento de paz no ar, um sentimento de quem depois de muitas adversidades chegou onde mais sonhava chegar, e só isso bastava. Ver os irmãos presentes, a sua amizade, e a Carolina a ser totalmente fiel aquilo que ela já é todos os dias foi de uma beleza atroz que ainda hoje a olhar para trás me emociona. E depois os dois. Depois de tantas voltas da vida, de tanta distância física entre e desde os anos que se conheceram até ao dia em que ali estavam, naquele momento, foi como uma culminação do destino. Toda essa valsa foi honrada e brindada mais tarde pelo acalmar da tempestade e a abertura de um final de dia inesquecível. Vejam por vocês mesmos. 

 

 
Pê & Mj | Fotografia de Casamento | Jardim do Museu da Cidade | Lisboa
 

Eu prometi a mim mesma que este ano iria ser especial. E que isso teria de partir de mim. De mais que o habitual fotografar apenas casamentos de casais que me queriam mesmo. Que demonstram uma fé na minha arte e uma amizade desde logo sincera, nada tremente, totalmente emancipada. Casamentos que falem das pessoas que se unem e não de tradições que nada têm que ver com elas. Casamentos que sejam puros e transparentes, como as pessoas que se amam. Se a Pê e a MJ me tivessem contactado este ano e não em 2014, esse seria um dos casamentos dos quais eu estaria mais entusiasmada em fazer parte. Ainda assim. Repetidamente. Pois são dias assim que me dão total prazer em fotografar. Em que me sinto no meu elemento.  

Lembro-me bem de como a luz estava neste dia. O sol quase cegava. As sombras frescas lambiam a pele, mesmo sem vento, mas o sol torrava os olhos e criava sobras em todo o lado. Fotograficamente falando eu poderia dizer que foi um desafio enorme fotografar este dia. No entanto foi tão bonito, tão delas, tão simples mas real, que toda a dificuldade (sempre contornada) foi esquecida e acabo por trazer este dia,  e esta família, muito perto do coração. É em acasos destes que tenho que agradecer a incrível comunidade de fotógrafos e videógrafos que se apoiam e faz com que nos recomendemos uns aos outros, que tantas vezes completam o círculo do destino de nos pôr, a mim e aos meus clientes, em alguma linha imaginária do tempo e do espaço, no mesmo caminho. Por acreditarmos que o mercado de casamentos em Portugal deveria era ser revestido de dias e casais assim - que vão contra o que todos ditam ser regras, dias que são simples mas que falam do mais importante, dias que nos trazem, me trazem pessoas incríveis. A MJ e a Pê e toda a sua família são pessoas incríveis. E eu aceitaria-as todos os anos se elas todos os anos decidissem celebrar o que sentem com uma pequena mas tão grande festa. Assim: