Posts in Lifestyle
Them ; WE
 

Women. In any state. Their strength even when they feel like having none, inspires me so much. I feel blessed everyday for being able to feel this in the flesh for just being myself. A girl. With wild dreams and hopes, while along the way some, sometimes, get crushed. Yet, I am me. Not because I am a girl, but also because I am. United to you. Proud of you. Supporter of you. We should start by hugging each other more often before asking everybody else to do so. Because we literally pour life we should always seek to always pour love too. Gaia here is beyond beautiful. She is a mom. 

 
2015. Year in review
 

VERSÃO PORTUGUESA No final.
 


This is going to be long. But you can always scroll down to the best part.  It is important for me, though, to let you know what I feel:

I opened the last year with this quote on the back of my mind:

“Dwell on the beauty of life. Watch the stars, and see yourself running with them.”  ― Marcus Aurelius

It still resonates as an absolute truth but I will end the year with yet another. 

Something has strike me the other day when I was thinking about how this year flew by and all that I experienced and the people with whom, if I wasn’t following my dream, I wouldn’t even have met and it was this: This might sound like utter bullsh*t, apologies for the chosen terminology, but I actually realize that the absolute most honest word to use when summarising what I feel like while entering as an hurricane in people’s lives is not just gratitude but above all PRIVILEGE. How come I start a connection with someone about what I might have to offer, and terms of agreement and package prices and part months later as friends? How trust truly, literally almost blindly builds bridges and becomes most of all stepping stones in my life? How can you not feel deeply struck and emotional when realising such organised thoughts are but a tiny bit of an incredible, magical reality? Bravery and understanding, trust and openness, letting go and letting in - those are all part of what I give and part of what I ultimately receive too. Connecting might not be hard but connecting on a deeper level surpasses creating single images. It makes stories come alive. They connect two, twenty, a hundred glimpses into a moving tear, a pendent laughter, a cried smile. This is not just poetic words put together - it is my way of saying thank you. Creating is truly what makes me beyond happy. It is what makes me feel I am living the life I am meant to live. But ultimately creating these bridges between you and I is what matters. You and I, you and others, us with everyone. That is why I opened my heart to bravery and risks and being changed to create. Because it truly is so worth it. 

When I shoot a wedding I am not only documenting a day. I am not only applying the vision I have on life and that inapt random thoughts that my mind delivers while I see things passing through and they click and I see beauty in them in a special way, enough for me to want to freeze that moment forever. Not only within myself but also to be able to have others find a similar beauty to what that inch of a second made me feel like. Photography deeply moves me, but I think that is a conversation for perhaps another time. When I shoot a wedding I am not only taking my own steps, I am following a couples’ journey on their own, even if only for a single day, I need that the steps I retrace can be as pure and raw as their own. When I shoot weddings I don’t only live in a straight line of my consciousness, I enter into my couples perspective, I swallow it whole and break the glass of all the windows to be able to be inside with them and their feelings. And I know that takes more from those who pick me, and I want the ones that do to be able to feel joy in that as much as I do. 

2015 was a year that went by in a blink. I honesty can’t believe the things I was able to experience and the things I got to witness. The beautiful people that let me enter with full trust and belief. The places I went and the thoughts of gratitude that came to me when I was tired or down and felt like the once clients but now friends were my lifesavers. I also created deep ties with other creatives that inspire me everyday and that made me want to travel the world and develop a tighter community with many more. To be in company of creatives is life changing and challenging and I just want to also thank those who have always push me further and invested their love in me. 

These past two years I photographed days unforgettable. Days that still itch me in happiness. Days I recall with an intensity of beautiful things still being shaped into something even better. When I am too witness of the purpose of life in creating love enough to set two people for eternity, that makes me feel completely fulfilled. And despite the uncertainties I felt towards the end of 2014, it was the same intensity that forced me to realize I can not stop shooting weddings, ever. I cannot because I truly feel there are those couples out there that truly get me. Those who not only know how certain I am for them because of the images I create on each wedding, but because we will click and we will have the time we need to create breathtaking imagery, imagery that will haunt us 3, and friends and family, for generations. Because that is truly the beauty of taste and connection. There is out there someone that will be a perfect match to what we have to give. That is in the end what makes us cross paths and stick together. That’s how we make friends, how we fall in love. The same thing happens in art. Happens in such a fragile business as Photography. When you have to prove to be the right and best investment someone decided to make - both financially and spiritually. But I don’t want only that. I want to make others feel special, feel beautiful, feel unbeatable. Alive. And make all that last forever in the images I give them. And that is my most honest and transparent goal. 

This year was life-changing. It was a hard, exhausting and arduous flight too. But instead of burning bridges it created them. Instead of saddening me it lifted me. Instead of making me quit it made me want more and more. Thank you. And here’s bits, tiny ones, that prove how 2015 was, on the other hand, so kind to me. Feeling so blessed I thank you. 

And I'll close with this one, which is also a wish for all of you:

“Do not let your fire go out, spark by irreplaceable spark in the hopeless swamps of the not-quite, the not-yet, and the not-at-all. Do not let the hero in your soul perish in lonely frustration for the life you deserved and have never been able to reach. The world you desire can be won. It exists.. it is real.. it is possible.. it's yours.” ― Ayn Rand. 

See you in 2016. 

Português: 

Isto vai ser longo. Fiquem avisados. 

Abri o último ano com esta citação bem impressa na minha mente:

“Dwell on the beauty of life. Watch the stars, and see yourself running with them.”  ― Marcus Aurelius

Ainda ressoa como uma verdade absoluta, mas vou terminar o ano com uma outra.

No outro dia algo se apoderou de mim enquanto estava a pensar sobre como este ano passou a voar e tudo o que pude experienciar e as pessoas com quem, se não estivesse a seguir o meu sonho, eu não teria sequer conhecido e foi isto: Isto pode soar como uma completa bullsh*t, peço desculpa pela terminologia escolhida, mas eu finalmente percebi que a palavra mais honesta e absoluta para usar quando tento resumir o que sinto ao entrar como um furacão na vida das pessoas não é apenas gratidão, mas, acima de tudo PRIVILÉGIO. Como é que é possível que eu inicie uma ligação com alguém expondo sobre o que eu posso ter para oferecer, e os termos de acordo e preços de pacotes e meses mais tarde partimos como amigos? Como a confiança realmente, literalmente, quase às cegas constrói pontes e torna-se acima de tudo o alicerce de tudo na minha vida? Como é que posso não me sentir profundamente impressionada e emocionada ao realizar que esses tais pensamentos tão organizados são se não apenas um pequeno pedaço de uma incrível e mágica realidade? Bravura e compreensão, confiança e abertura, entrar e deixar entrar - todas elas são parte do que eu dou e parte do que eu, em última instância recebo também. Conectarmo-nos pode não ser difícil, mas conectarmo-nos a um nível mais profundo supera a criação de imagens individuais. Faz histórias ganhar vida. Conecta se não dois, três, cinco, cem vislumbres de uma lágrima em movimento, um riso pendente, um sorriso chorado. Isto não são apenas palavras poéticas - é a minha maneira de dizer obrigada. Criar é verdadeiramente o que me faz para lá de feliz. É o que me faz sentir que estou a viver a vida que estou destinada a viver. Mas num último olhar, a criação destas pontes entre vocês e eu é o que importa. Vocês e eu, vocês e os outros, nós uns com os outros. E foi por isso que eu abri o meu coração à bravura e ao risco e ao ser mudada para criar. Porque vale tanto a pena.

Quando eu fotografo um casamento não estou só a documentar um dia. Não estou só a aplicar a visão que tenho perante a vida e aqueles pensamentos aleatórios e inaptos que minha mente me proporciona à medida que vejo as coisas que passam por mim e há um clique e vejo beleza nelas de uma maneira especial, o suficiente para querer congelar esse momento para sempre. Não só dentro de mim, mas também para ser capaz de dar aos outros a oportunidade de encontrarem uma beleza semelhante ao que essa milésimo de segundo me fez sentir. Fotografia comove-me profundamente, mas eu acho que essa é uma conversa para, talvez, uma outra altura. Quando fotografo um casamento não estou só a dar os meus próprios passos, mas a seguir o caminho dos meus casais, e mesmo que apenas por um único dia eu preciso que os passos que eu dê possam ser tão puros e crus como os seus. Quando fotografo casamentos eu não vivo apenas numa linha recta da minha consciência, eu entro na perspectiva dos meus casais, eu engulo-a inteira e parto os vidros de todas as janelas para ser capaz de estar lá dentro com eles e com os seus sentimentos. E eu sei que isso exige mais daqueles que me escolhem, e eu quero que os que o façam sintam tanta alegria nisso como eu.

2015 foi um ano que passou num piscar de olhos. Sinceramente não posso acreditar nas coisas que experienciei e as coisas que testemunhei. As pessoas bonitas que me permitiram entrar com plena confiança e crença. Os lugares onde fui e os pensamentos de gratidão que me assombraram quando estava cansada ou em baixo e sentia que os uma vez clientes, mas agora amigos eram os meus salva-vidas. Também criei laços profundos com outros artistas que me inspiram todos os dias, o que me fez querer viajar pelo mundo e desenvolver uma comunidade mais próxima e forte com muitos mais. Estar na companhia de mentes criativas é life-changing e desafiador e eu só quero também agradecer a todos aqueles que sempre tanto me incentivaram e investiram o seu amor em mim.

Estes últimos dois anos fotografei dias inesquecíveis. Dias que ainda me enchem de felicidade. Dias dos quais me lembro com uma intensidade de coisas bonitas que ainda estão em metamorfose rumo a algo ainda melhor. Quando sou também eu testemunha do propósito da vida em criar amor forte o suficiente para juntar duas pessoas para a eternidade, isso faz-me sentir tão mas tão realizada. E apesar das incertezas tão intensas que senti no final de 2014, foi essa mesma intensidade que me forçou a perceber que eu não consigo parar de fotografar casamentos, nunca. Porque realmente sinto que há aqueles casais que realmente me querem. Aqueles que não só sabem o quão certa sou para eles por causa das imagens que crio em cada casamento, mas porque vai haver um click e vamos ter o tempo necessário para criar imagens de tirar o fôlego, imagens que nos vão assombrar aos três, e aos amigos e família, por gerações e gerações. Porque essa é a verdadeira beleza do estilo e da conexão. Há por aí alguém que vai ser a match perfeita para o que nós temos para dar. Isso é afinal de contas o que nos faz cruzar caminho e ficar juntos. É assim que fazemos amigos, que nos apaixonamos. A mesma coisa acontece na arte. Acontece num negócio tão frágil como a Fotografia. Quando temos de provar ser o mais certo e melhor investimento que alguém decidiu fazer - tanto financeiramente como espiritualmente. Mas eu não quero só isso. Eu quero fazer os outros sentirem-se especiais, sentirem-se bonitos, sentirem-se imbatíveis. Vivos. E fazer tudo isso durar para sempre nas imagens que lhes dou. E esse é o meu objetivo mais honesto e transparente.

Este ano foi um ano inesquecível. Foi um duro, cansativo e árduo voo também. Mas em vez de queimar pontes, criou-as. Em vez de me entristecer, ergueu-me como nunca. Em vez de me fazer desistir fez-me querer mais e mais. Obrigada. E aqui estão bocadinhos, pequeninos, que provam como 2015 foi, por outro lado, tão bom para mim. Sentindo-me tão abençoada, obrigada.

Vou fechar com uma outra citação, que é também senão um desejo para todos vocês:

“Do not let your fire go out, spark by irreplaceable spark in the hopeless swamps of the not-quite, the not-yet, and the not-at-all. Do not let the hero in your soul perish in lonely frustration for the life you deserved and have never been able to reach. The world you desire can be won. It exists.. it is real.. it is possible.. it's yours.” ― Ayn Rand. 

Vemo-nos em 2016.

 
Raquel & Adriano | E-session
 

Sessões de Inverno começam aos tropeções a ser das minhas preferidas. Poucas coisas batem o frio daquela altura do ano que se encontra entre duas estações, em transição. Talvez só mesmo sessões nesses dias com duas pessoas abertas a nada mais que a tudo o que há de bom, a tudo o que é sincero, e a serem como sempre são, como na companhia segura de quem confiam. Duas pessoas que me fazem sentir totalmente à vontade e que me fazem sentir que o que faço as move. Pessoas que abraçam o destino como valsa e fado - e sabem que não interessa o que vier, virá por bem. Como este dia foi também o seu casamento, mas esse virá um pouco mais tarde. Por agora, que o Inverno se parece estar finalmente a instalar, deixo-vos a estas imagens, em jeito de celebração. 

 

 
Just a few
 

Sinto tanto a falta de escrever e publicar imagens que eu crio com todo o meu coração, com todo o meu ser. Só me falta o tempo de escolher por entre milhares de imagens, de as partilhar tanto como sempre desejo. Partilhar é também uma grande parte do que eu mais amo fazer. É algo de que falo aos meus noivos e os sensibilizo pois só assim, só mesmo assim os possibilitou a encontrarem-me. E essa sabedoria fez toda a diferença. Porque o seu amor, a sua celebração, a sua fé, a sua entrega pode inspirar um mundo inteiro. E inspira. Por agora vou apenas partilhar algumas, soltas, do que tenho criado e algumas das cores e sentimentos que têm colorido os meus dias e os tornado tão únicos, porque os meus noivos e as pessoas que entram na minha vida através desta minha paixão o merecem. Mal consigo acreditar nas tantas coisas que ainda tenho que partilhar de 2014, e 2015 tem sido tão, tão bonito. Sou tão sortuda por poder ser testemunha das coisas que testemunho. 

I miss writing and publishing images I create with all my heart, with all my might. I just lack the time and getting through thousand of images, to just share them as much as I'd like. Sharing is also a big, huge part of what I love most to do. It's something that I speak about with my couples, while trying to make it sensible that without my love of sharing they couldn't have found me. And that wisdom makes all the difference. Because their love, their celebration, their faith, their deliverance can inspire a whole world. And they do. For now I will just share a few images I have been creating the past months because I know I have to share more and more, because my couples and people that enter my life through this passion of mine deserve it. I can't believe I have so many things to still share from 2014, and 2015 has been so beautiful. I am so, so lucky to witness the things I witness. 
 

 
Sabrina | I Session | Sintra, Portugal
 


Sabrina is beautiful inside and out. She's the kind of spirit that inspires others without even saying a word. I've met Sabrina a few years ago, we worked together and even though we never talked on serious philosophical things, I got her right away and knew she was and is an inspiring soul and the type this world should have more of. 

She contacted me saying that she wanted a few pictures of herself. She followed my work and always thought about doing a session, but thought she would be no match to the girls I photograph all the time. That made me giggle. If she knew that all the girls I photograph say the exact same thing she would laugh too. They do. And that is why I created the project BeRaw afterwards. Because I believe in a project that makes you see yourself how others see you. A project that makes you feel sexy, beautiful and comfortable in your own skin.  I pretty much think she nailed it this day. See proof. 

 

 
Rita + Zé | E-session | Lisboa
 

Esta foi a e-session de um dos casais que eu tenho a honra de poder sentir que se tornaram muito especiais para mim. Irei escrever algo mais longo quando publicar o seu casamento dentro de algumas semanas. Mas por agora a sinceridade destas imagens falará do seu amor à vida, e da compaixão e gratidão que sinto perante duas das melhores pessoas com que pude trilhar caminho este ano. 
-
This was the engagement session of one of the couples I have the honor of being able to feel they became so very special to me. I will write something more once I publish their wedding day in a few weeks. But for now the honesty of these images will speak of their love for life, and the compassion and gratitude I feel for two of the best people I had the pleasure of walking alongside with this year. 

 

 
Despedida de Solteira | Oeiras | Linha de Cascais
 

Dêem-me boa luz, amizade e felicidade e eu dou-vos isto. Nada substitui a amizade. Nem mesmo no amor, este subsiste sem amizade. É o alicerce de tudo. E uma das minhas coisas preferidas é documentá-lo. Documentar grupos de amigos, raparigas ou rapazes, que por um final de tarde decidem documentar essa amizade para sempre. Há variadas e diferentes formas de o fazer mas esta assim é das minhas preferidas: um brinde (ou vários), muitas gargalhadas e uma celebração sincera e crua do que são juntas. Nem sempre tem de significar algo específico se não o quão amigos são, mas neste caso a Raquel a casar-se numa semana e estando todas em Portugal algumas vindas de Angola, foi o jeito especial em despedida dos últimos momentos ainda solteira. Decidam por vocês se não vale a pena celebrar assim e documentá-lo! 
-
Give me great light, friendship and happiness and I'll give you this. Nothing ever substitutes friendship. Not even love can subsist without it. It's the foundation for it all. And one of my favourite things in the world is to document it. Document groups of friends, whether it is girls or boys, who for a day decide to document their friendship for all time. There's so many different ways to do so, and no one better to decide it than you, but this is one of my favourite ways: a toast (or many), a lot of laughter and an honest and raw celebration of what you are together. It doesn't always have to be something in particular if not only because you are indeed friends, but in this case Raquel was about to get married in one week, and being at last all of them together in Portugal, a few of them just arrived from Angola, it was in a special way the goodbye to the last few moments of this beautiful girl as a single beautiful person. Decide for yourself if it isn't worth it to celebrate it while you document it!

 

 
Look at these: a preview in the midst of chaos
 

Tenho tanto para partilhar. Muitas sessões, casamentos, coisas que se acumulam e que por esta altura fica mais difícil ser partilhados. Mas que quero muito, muito partilhar. Mas nem sempre o querer, pelo menos não imediatamente, pode ser alcançado. Por isso por agora partilho algumas imagens soltas desses momentos maravilhosos que vou passando com os meus clientes, que se tornam amigos e dos quais passo horas a falar se me for dada a oportunidade! Em breve posts no blog mais completos. Prometo! 

I have so much to share. So many sessions, weddings, things that end up piling up and that around this time of the year get harder to share. But I want to, so much. But wanting is not always enough, at least not immediately, or possible to be accomplished right away. So for now I share a few frames of wonderful moments I get to share with my clients, people that turn into friends in a blink and of whom I can spent countless hours talking about if given me the chance! Soon, longer posts on the blog. Promise!

 

 
Despedida de Solteira | Tânia | Lisboa
 

A amizade embala-me sempre. É pena a minha máquina ser tão grande, pois esconde os meus constantes sorrisos, sempre presentes. E às vezes sinto que as pessoas podem achar que eu sou demasiado séria quando na verdade raros são os momentos em que não estou a espremer os meus sorrisos contra a parte de trás da camera. É isso que o amor e a amizade me fazem sentir. Uma enorme necessidade de contribuir para as gargalhadas, para as memórias. Quando as pessoas arriscam fazer algo diferente as coisas resultam assim. Todas as amizades entre raparigas deviam ser assim. Todas.

Friendship cradles me always. Too bad my camera is so big because it hides my constant smiles, always present. And sometimes I feel that people may think I'm too serious when in fact it's rare the times when I'm not squeezing my smile against the back of my camera. That's what love and friendship makes me feel. This incredible urge to contribute to the laughs, for the memories. When people risk doing something different things turn out this way. All friendships between girls should be like this. Every last one of them.